por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



terça-feira, 14 de abril de 2015

TIVE SIM - José do Vale Pinheiro Feitosa

video

Claro que ouviram e conhecem este belíssimo samba de Cartola intitulado: "Tive Sim". Não compreendido como nossas histórias de muitas pessoas, vários amores, onde o momento da palavra sempre será o incomparável. Mesmo quando de fato é incomparável.

A curiosidade é que este samba foi composto e exposto ao público pela primeira vez entre maio e junho de 1968. Era a 1ª Bienal do Samba, promovido pela Record. Ali se reconhecia a fantástica safra de jovens compositores brasileiros ao mesmo tempo que salvaguardava a velha guarda na altura sem oportunidades.

Foram três eliminatórias e a decisão da colocação das finalistas. Para se compreender o universo dos participantes, entre compositores e intérpretes estiveram Chico Buarque, Edu Lobo, Cartola, Aracy de Almeida, Sidney Muller, Moreira da Silva, Adoniran Barbosa, Demônios da Garoa, Baden Powell, João da Baiana, Clementina de Jesus, Jair Rodrigues, Elis Regina, Ataulfo Alves, Ciro Monteiro, Marília Medalha, Claudete Soares, Agnaldo Rayol, Jorge Goulart, Oswaldo Nunes, Paulinho da Viola e por aí foi.

Imaginem o privilégio dos paulistanos com um elenco como este por oferta em noites memoráveis. Agora vamos ao resultado final acontecido no dia 1º de junho de 1968.

Quem ganhou a Bienal foi a música Lapinha, de Baden Powell e Paulo César Pinheiro, interpretada por Elis Regina. Quase não foi inscrita pois naquela altura Paulo César Pinheiro era desconhecido e muito jovem. Baden Powell disse que se retiraria da Bienal e tiveram que aceitar. Inclusive Lapinha foi controvertida por um jornalista que disse ser a composição uma peça do folclore baiano.

O segundo lugar foi “Bom Tempo” de Chico Buarque de Holanda e defendida pelo próprio (Um marinheiro me contou/Que a boa brisa lhe contou/ Que vem aí bom tempo...). O terceiro lugar foi para “Pressentimento” de Elton Medeiros e Hermínio Bello de Carvalho, defendido por Marília Medalha (ai! Ardido peito / Quem irá entender o teu segredo?...). O quarto lugar foi para “Canto Chorado” de Billy Blanco defendido por Jair Rodrigues (No jogo se perde ou se ganha / Caminho que leva/ Que traz.....).

Bem, logo a seguir falaremos do quinto lugar para “Tive Sim”. Antes vem o sexto lugar que foi para “Coisas do Mundo, Minha Nega” de Paulinho da Viola interpretado por Jair Rodrigues (Hoje eu vim minha nega / Como venho quando posso...). O destaque para esta canção é a leveza da melodia e um dos mais bem acabado poemas para um amor.


E “Tive Sim” de Cartola e cantada por Ciro Monteiro conquistou o quinto lugar diante de uma estrondosa vaia. Uma vaia própria de tempos agudizado em contradições, como foi 1968, onde as paixões afloram acima de qualquer referência. Onde a torcida prevalece sobre o debate e construção do melhor para todos. Assim como a direita brasileira, tocada pela grande mídia e o ódio dos privilegiados age em palavras e atos.
Vou colar do mesmo modo que encontrei num blog este texto de Albert Einstein traduzido do inglês tecendo considerações sobre as origens e o métodos para combater o fascismo. Considero que vem a propósito das manifestações conservadoras que democraticamente se expressam nas ruas das grandes cidades. Aliás manifestações bem diferentes das ocorridas na Europa submetida a programas de austeridade governamental. E tão diferentes que permitem setores se infiltrarem a pedir ditadura, golpes e truculência. 

Sei que os conservadores de natureza democrática não concordam com a ditadura que no primeiro ato proibiriam tais manifestações. A não ser que sejam a favor do ditador de plantão. Confesso que a vantagem desta postagem é ter sido escrita por uma unanimidade da categoria de gênio no século XX. Neste momento da "SOCIEDADE PERFORMÁTICA" nada como um texto de alta personalidade para aluir o zinabre de alguns espíritos empedernidos que acreditam na liberdade de conquista individual por sobre a derrota da maioria.

Por Albert Einstein
O New York Times convidou-me a exprimir-me brevemente sobre o perigo fascista. Em resposta a esse convite envio as linhas que se seguem. Pretendendo ser breve, exprimir-me-ia de um modo categórico e dogmático que poderia dar uma impressão de imodéstia. Pedirei, portanto, aos leitores o favor de serem indulgentes para com a forma das minhas considerações e de não se interessarem senão pelo seu conteúdo.
Quase toda a gente neste país considera o regime e o modo de vida fascistas um mal contra o qual nos devemos defender por todos os meios disponíveis. É reconfortante ver os espíritos concordarem nesse ponto. Mas uma tal unanimidade não existe nem acerca da natureza desse perigo nem sobre os meios a mobilizar para o afastar. Exprimirei o meu ponto de vista sobra este assunto nas linhas que se seguem.

Eu tive oportunidade de observar a propagação da epidemia na Alemanha. Não é sem dificuldades nem reticências que o homem renuncia às suas liberdades e aos seus direitos. Mas basta que um povo se veja, em grande parte, confrontado com uma situação insuportável para que se torne incapaz de um julgamento são e se deixe abusar voluntariamente por falsos profetas. "Desemprego" é a palavra terrível que designa essa situação. Também o recear do desemprego é igualmente lancinante.

A ausência constante de segurança económica engendra uma tensão que as pessoas são incapazes de suportar a longo termo. Essa situação será ali pior do que aqui porque, num país fortemente povoado e dispondo de recursos naturais extremamente limitados, as flutuações económicas fazem-se sentir com ainda maior dureza.

Existe também aqui uma situação semelhante; o progresso tecnológico e a centralização da produção provocaram um desemprego crónico e uma parte muito considerável da população em idade de trabalhar luta em vão para se integrar no processo económico. Sobreveio desde então que tanto aqui como lá os demagogos encontraram algum sucesso provisório mas, graças à existência neste país de uma mais forte e mais avançada tradição política, eles não duraram muito tempo.

Estou convencido de que só medidas eficazes contra o desemprego e a insegurança económica do indivíduo poderão realmente afastar o perigo fascista. Por certo é necessário contrariar a propaganda fascista levada a cabo do exterior. Mas é preciso abandonar a ideia errónea e perigosa de que alcançaremos o fim do perigo fascista através de medidas puramente políticas. Tudo se passa, pelo contrário, como quando existe uma ameaça de contágio pela tuberculose. É certamente bom que existam medidas de higiene impeditivas logo que entremos em contacto com os germes da doença, mas uma boa alimentação é ainda mais importante, dado que ela reforça as defesas naturais do indivíduo contra a infecção.

Todos os que se interessam pela salvaguarda dos direitos cívicos neste pais devem, por conseguinte, estar disponíveis também a procurar de forma sincera uma solução para o problema do desemprego, tal como devem prestar-se aos sacrifícios necessários para a alcançar. É preciso então perguntar se não é justificado sacrificar uma parte da liberdade económica se isso permitir em contrapartida garantir a segurança do indivíduo e da comunidade política. Não é preciso considerar estas questões de um ponto de vista sectário, pois trata-se de nos defendermos contra um perigo que a todos diz respeito [1] .

O desempregado não sofre somente por estar privado de bens de primeira necessidade. Ele sente-se ainda excluído da comunidade humana. Ele vê recusada a possibilidade de colaborar no bem-estar geral; não goza de nenhuma consideração, sendo mesmo percebido como um fardo. É absolutamente natural que ele tenha o sentimento de que nós procedemos incorrectamente perante ele e que, procurando desembaraçar-se por si mesmo, tenha pouco a pouco recorrido a meios ilegais, a actos criminosos.

Mas, se um dentre eles consegue mesmo assim encontrar um emprego, após um período mais ou menos longo de desemprego, ele não é mesmo assim um homem livre, porque é inevitável que receie encontrar-se, em breve, de novo no desemprego. Esse estado de tensão bem real dos que têm um emprego, junto ao desemprego bem real daqueles que perderam o seu, torna as pessoas amargas. Na busca de uma saída, eles concedem sem discernimento a sua confiança ao primeiro que chegue a prometer-lhes uma melhoria da sua situação. É aí que reside o perigo político do desemprego. O perigo de ver o desemprego ameaçar a democracia é particularmente elevado quando são jovens aqueles que devem suportar essas amargas decepções; eles preferem não importa que combate à resignação e a sua falta de experiência torna-os cegos aos perigos e aos riscos que comporta uma acção irreflectida.

É interessante constatar a que grau a atitude dos homens face ao trabalho se modificou ao longo do tempo. Quando Adão foi punido, escutou: "Ganharás o teu pão com o suor do teu rosto" [2] . O trabalho foi-lhe imposto como castigo e foi por isso considerado como uma maldição. O castigo do Adão moderno é o de ser desocupado e privado do seu trabalho. Aquele que tem um trabalho suscita a inveja. Se considerarmos o progresso económico da humanidade deste ponto de vista lá se acaba essa bela altivez tanto dá a impressão de termos, ao longo dos séculos, evoluído.

O desemprego é particularmente cruel em período de crise económica. Muitas pessoas têm por isso tendência a crer que uma vez ultrapassadas as crises, o desemprego tenderá também a desaparecer. Isto parece-me, no entanto, incorrecto. Mesmo em períodos de prosperity [3] , o desemprego é significativo. É por isso que penso que podemos, sem riscos de errarmos, abstrair-nos do fenómeno das flutuações quando reflectimos nas causas do desemprego.

Parece-me que a maneira mais convincente de elucidarmos a questão será recorrer a um modelo simplificado ao extremo. Imaginemos uma ilha isolada do resto do mundo, na qual a terra possui um rendimento suficiente para nutrir os seus 300 habitantes. Supondo que existem 100 campos nessa ilha e que 100 habitantes possuem um campo cada um, com a condição de que todos os cultivem produz-se mesmo à justa para sustentar os trezentos habitantes.

Para que todo este sistema funcione de maneira satisfatória aqui está o que deve passar-se: cada camponês cultiva o seu campo com dois empregados, a quem paga para o ajudarem. Com o seu salário estes compram aquilo de que têm necessidade para viver. Deste modo, tudo está em ordem.

É então que um dos camponeses inventa uma ferramenta de trabalho particularmente eficaz que lhe permite obter do seu campo o rendimento habitual com a ajuda de um só empregado. Resultado: temos um desempregado e um camponês para o qual o lucro é mais importante que aqueles seus colegas, porque este último pode vender os seus produtos mais baratos dado que tem que desembolsar menos em salários.

A satisfação é de curta duração. Ele faz, de facto, aos outros camponeses uma concorrência desmesurada. Estes vêem-se, deste modo, constrangidos a utilizar por seu turno a nova ferramenta que ele inventou, o que lhes permitirá também obter doravante com um só empregado o mesmo rendimento do costume.

Mas algo de grave se passou entretanto. Cem homens são forçados ao desemprego e os camponeses não mais chegam a desfazer-se de um terço da sua colheita, tanto mais que não existe mercado exterior. Produzir do mesmo modo de futuro não tem mais sentido algum. Não existe "procura" correspondente àquilo de que cem homens têm necessidade para viver. Pode-se, entretanto, produzir quanto muito um pouco mais que dois terços da quantidade normal a fim de evitar que os 100 desempregados morram de fome e se revoltem.

Eis que vejo os meus sensatos leitores torcerem o nariz de desdém e dizerem que nada percebo de economia. Esses cem desempregados, pensam, acabarão na realidade por descobrir na sua miséria um meio de fazer frutificar o seu trabalho utilmente e de receber em troca dinheiro e pão. Eles poderão, por exemplo, tornar-se cabeleireiros, actores, enfermeiros, etc., e dessa forma suavizar a vida da comunidade. Eis o que é perfeitamente verdadeiro. Mas que este processo não logra, contudo, compensar o facto de que a necessidade de mão-de-obra baixou em virtude do aperfeiçoamento do processo, eu o vejo revelar-se na nossa economia de verdade e não neste exemplo um pouco simplista que escolhi para clarificar a ideia.

Voltemos ainda ao nosso exemplo! Os nossos trezentos insulares quebraram a cabeça para encontrar uma forma de se desenvencilharem do desemprego de modo a recriarem o seu paraíso perdido. Para começar, é evidente que um só camponês não pode contratar duas pessoas e dividir o tempo de trabalho por dois. Isto porque lhe seria necessário gastar tanto dinheiro com os salários destes dois empregados que se tornava impossível a ele sustentar a concorrência dos outros camponeses.

De facto, sozinho um camponês não pode resolver o problema! Mas, todos juntos poderiam consegui-lo, e eis o que eles determinaram: cada um deles contrataria duas pessoas a meio tempo, mas com salário completo. A bem dizer, não era indispensável exigir um salário normal, porque se as pessoas passassem a receber um salário reduzido a metade os preços dos cereais teriam forçosamente que baixar, eles também, para metade, e seria oportuno evitar este choc [4] no mundo dos negócios.

Se estas pessoas tivessem podido dispor, como nós, de um vocabulário erudito elas teriam qualificado essa solução de "economia planificada" no quadro de uma sociedade capitalista. No caso da nossa estrutura económica actual, que é eminentemente complexa, o problema é muito mais complicado; [ainda assim] ele não permanece [por isso], no essencial, menos o mesmo. Como as pessoas da nossa ilha estavam longe de serem tão instruídas quanto o somos hoje em dia, não se encontrará pessoa alguma para combater essa proposição sob o pretexto de que se trata aqui de um entrave ao direito do cidadão de agir livremente, tal como o está garantido pela constituição; e, por outro lado, à falta de um Supreme Cour [5] , uma tal diligência não teria, por assim dizer, nenhum sentido.

Indiquei, no que precede, o que é preciso, quanto a mim, procurar o único remédio contra o perigo fascista. Impormo-nos voluntariamente limites em favor de uma ordem cuja necessidade reconhecemos é na verdade, em geral, o meio mais eficaz para chegar ao mais alto grau possível de liberdade e de segurança, inclusive no domínio da política internacional.

Notas
1- No seu manuscrito, Einstein riscou vinte e quatro linhas, dentre as quais as seguinte: "Hoje em dia não há ninguém que negue que as concessões da França e da Inglaterra a Munique desenvolveram a arrogância e a agressividade [da Alemanha e da Itália]."
2- No Génesis, 3, 19.
3- A palavra, em inglês no original, é assim, ao mesmo tempo, uma alusão ao passado compreendido entre a Primeira Guerra Mundial e a crise de 1929, nos Estados Unidos da América.
4- Em francês no texto.
5- O Supremo Tribunal dos EUA.

[*] Artigo publicado no número especial (para a Feira internacional) do New York Herald, de 30/Abril/1939.   Einstein intitulou primeiramente a sua contribuição de "O perigo fascista e os meios de o combater".   Tradução de Bruno Monteiro.