por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



terça-feira, 27 de janeiro de 2015



IMPERDÍVEL!


     
     
     
     
    Sesc Unidade Crato apresenta Estacionamento da Música!
    Dia: 29 de janeiro de 2015
    Horário: 20h
    - Tunai & Wagner Tiso - Saudade de Elis ...

O que seria desta eternidade ,às vezes tédio, se não fossem as canções?

Quando o mundo escancara suas janelas
solto a poeira das cortinas
e tudo vira trapo colorido
como se bandeiras hasteadas
Figurassem na foto do meu dia

É muito bom entrar na sintonia que me traz vida
Quase morri... Mas a vida me devolve vida!
A noite nunca me assusta
Preenche meu sono de coisas que não espero,
mas adivinho!


socorro moreira
video
Goodbye my love, Goodbye - Demis Roussos - Panas, Mario, Klaus 

Quando disserem que grego não eras. Lembrarei que Alexandria, no Egito, era grega de fundação. Muito cedo, perdeste tua humanidade física, aos 68 anos de idade. Destas perdas que célere atravessam o composto indene, como à Grécia a crise econômica atravessou. Demis Roussos, filho de pai grego e mãe egípcia de origem italiana, não fugiu de sua Atenas e ali, para não perder o mote, assomou ao Olimpo.

Demis Roussos, em sua voz inconfundível, já conquistara a humanidade imaterial. E a música é esta especialidade dos sentidos em marcar a memória, muito além da narrativa, incluindo ambiência, emoções, sensações e desejos num mesmo átimo de lembrança.

video
Rain and tears - lançada pelo grupo Aphrodhite´s Child formado por Vangelis, Demis Roussos, Lucas Sideras e Anargyros.

Sabemos disso e que classificações de tempo e idade, de gosto e desgosto se extraia ao saber-se qual música toca, nada importa. Apenas as mentes alienadas, os encéfalos burocráticos, a onipotência corrompida, é capaz de classificar onde não há classe.

Há um tempo vivido, experimentado, desde o miolo das coisas até o mais alto da superfície. Ali onde se respira a leveza do ar. Isso é como todos os sentidos contam emoções acontecidas mas que ecoam enquanto sopro houver por respirar.
video
My Reasons - Demis Roussos 

Nos, agora, longínquos anos 80, um amigo viveu o destraçar de uma relação acontecida desde mais de dez anos. Toda aquela vida de classe média fortalezense encolheu-se num quarto com banheiro que literalmente ficava sob a escada principal do prédio. Era quase o alojamento feito para um vigia. Mas fora alugado a ele.

video
We shall dance - Demis Roussos - Demis Roussos, Charalampe Chalkitis, Boris Bergman

E estamos os dois ouvindo um rádio cujas ondas eram fugidias. E ouvíamos esta canção:

video
Forever and ever - Demis Roussos


E dali a mão foi empurrando com uma longa melodia do qual se busca este fragmento.

No quase quarto,
Sob uma escada de uma quase moradia,
A saudade do que fôramos nos deixou,
E saímos para as ruas com a canção nos impregnando:

Ever, ever, forever and ever...
Nunca, nunca, jamais iremos
Aos braços da eternidade,
Ao corpo de todas as coisas,

Sempre, sempre, para sempre,
Iremos ao finito de nós mesmos,
Ao passo adiante do que é hoje,
Ao senso de que tudo se vai.

Sempre, sempre, para sempre,
Tudo será assim,
Como curvas do vento,
Um sentimento de dobra,
Um sentido de quebra.

Sempre tudo assim,
Eis o nosso senso de destino,
Eis a trilha da permanência,
Eis o ponto final da eternidade,
Ali onde nós não seremos nós.





Antes do esquecimento... Reflexão 2015 nr4- socorro moreira


O destino tem longo caminho

Continuo na estrada

Às vezes sem asas

Às vezes sem nenhum dos sentidos

As imagens passam, e eu me detenho em algumas

Aquela casa que parecia habitada e não me contou sua história

A casa da Pedra Lavrada onde conscientemente encontrei o fio da meada, que me trouxe aos dias de hoje.

Meus tesouros estão escondidos de mim

Sinto o perfume, a saudade, a falta...

Mas nem sei resgatá-los, a não ser escrevendo um pouco.

Farei isso pela memória da minha cidade, da família, e dos amigos.

Os sentimentos são atemporais, mas eles estão ligados às épocas já passadas ou vividas...

Meu coração sozinho é o mesmo coração solitário de uma menina curiosa e medrosa, que nada sabia da vida,

mas tinha pais, irmãos e avós.

Agora tenho a mim, e um amor indefinido por muitos, que sorriem e me falam: somos os teus tesouros, menina!

Acho que a dor é geral. Acho que as alegrias são privilégios gerais. Não entendo as queixas naturais.

O vento em suaves rajadas carrega as energias que nos afetam. Deixa e leva alegrias...Como fazer pra transmutar a calmaria numa permanente vontade de vida?
É preciso ter paciência. Os dias não se repetem. Trazem surpresas e paisagens diferentes.
Trazem  novos amigos, melodias inéditas,

e paladares surpreendentes.

Quero a força criadora para dizer o que penso, nem que seja mansamente.
 
 
 
 

 

agradeço a quem me fez recordar esta canção...



O "REVOLUCIONÁRIO" - José Nilton Mariano Saraiva

Sob “Xico”, a Igreja Católica tem tudo para “recambiar” algumas almas recalcitrantes, que se transferiram de mala e cuia para as hostes evangélicas por não mais compactuarem com desvios de toda ordem no epicentro do catolicismo e (também) de olho grande em vantagens outras.

É que o “hermano”, até para surpresa de alguns - que o sufragaram na briga de foice em quarto escuro, que é o que é a eleição papal - de certa forma decepcionou-os ao assumir posições vanguardistas, abalando assim as carcomidas estruturas do Vaticano.

Começou por repreender uma cambada de cardeais ultraconservadores (dentre eles alguns seus eleitores), numa reunião de cúpula, chamando-os à responsabilidade e literalmente concitando-os a acordarem da letargia e marasmo em que se imiscuíram, atualizando-se às novas demandas de um universo cada dia mais competitivo e dinâmico, inclusive em termos de escolha da religião e/ou seita.

Num segundo momento, ante o reclamo de uma plêiade de jovens mulheres italianas, que lhe pediu providências para aprovação do celibato, tendo em vista já terem relações sexuais ocultas (e pois proibidas) com religiosos vinculados ao próprio Vaticano, prometeu-lhes estudar com carinho o assunto, porquanto não tratar-se de um dogma religioso, daí a perspectiva da reivindicação ser agendada, mais à frente.

Um outro enfoque merecedor de destaque é que, assim como investiu pesado contra o exército de padres-pedófilos que envergonharam a Igreja Católica, recriminando-os publicamente, e incentivando sua expulsão sumária (sem choro nem vela), agora houve por bem aconselhar os humanos a não procriarem com tanta pressa e avidez, (refrear o sexo) porquanto atividade mais propícia a “coelhos”.

Alfim, e ante a rasgação de seda e o circo armado pelo presidente da França, que transformou o limão numa limonada ao reunir em Paris autoridades de outros países para demagogicamente se posicionaram em favor da tal “liberdade imprensa”, Xico foi por demais categórico, sucinto e objetivo, ao corajosamente se postar contra o status quo e externar seu voto contrário, ao afirmar textualmente que “Quanto à liberdade de expressão, todos têm direito a se pronunciar, mas sem ofender. Há um limite, toda religião tem sua dignidade, e não pode ser entregue à chacota. Não se pode matar em nome de Deus”.

Definitivamente, “Xico” não é Charlie.