por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Se Ligue !

Cores - por Aloísio

Cores


Luz sem cor
Pode existir?
Nunca vi

Furta-cor
Revezando
Todas as cores

Espectro de cristais
Cores reunidas
Realçando a vida

De colores
Amostra de
Amores

“Gracias a la vida”

Aloísio

Coletivo Camaradas realizará seminário para abordar sua concepção de arte

O Seminário é uma oportunidade para quem tem interesse em conhecer e participar do Coletivo Camaradas.




Os coletivos de artes são formas organizativas de discutir e produzir arte na contemporaneidade. Uma das características dos coletivos espalhados no Brasil são a sua preocupação com os contextos sociais e políticos. Na região do Cariri, artistas, produtores e professores já estão organizados em coletivos, como é o caso do Coletivo Café com Gelo, Bando, Malugo, CUCA e as várias companhias teatrais.




O Coletivo Camaradas é um desses coletivos que mantém ações não só na região do Cariri, mas a nível nacional, através da Rede Programa de Interferência Ambiental – PIA e o Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA. Os Camaradas têm uma atuação que mistura arte, estética, educação, cultura e política, tendo como referencial teórico a concepção marxista.


Neste sentido, o Coletivo Camaradas realizará no dia 29 de outubro, na Universidade Regional do Cariri – URCA – Campus Pimenta, o Seminário “Entendo o Coletivo Camaradas”. O seminário é direcionado as pessoas que tem interesse em fazer parte da organização.

Serviço:
Seminário “Entendendo o Coletivo Camaradas”
Informações e inscrições:
(88) 99772082 E-mail: coletivocamaradas@gmail.com

Passou Direto... Passou. Por Liduina Vilar.

No universo de uma relação, é importante o máximo de consideração, de atenção, de solicitude e de respeito ao que se vivencia. Ou se é tudo ou nada. É difícil conviver com o meio termo. O ser humano é completo, não existe meio homem, ou "meia" mulher. Nem meio amor, nem meio carinho, um pouco de paixão, uma dose de ternura... Resíduos de sentimentos. Na minha opinião, convivência, relacionamento é um todo. Necessita ser por completo. Caso venha a se fragmentar, se partir: Passou direto, passou!

Aos ventos que virão

Foto e texto: Joana Aquino
Pierre, Tiago, Cláudio, Penna e Jerimum

Deu no portal do Estúdio Muzak, Recife.

Notícias

Trilha original de longa-metragem está sendo gravada na Muzak

Nesta semana, está sendo gravada, no Estúdio Muzak, a trilha original do novo longa-metragem de Hermano Penna (que dirigiu o premiado “Sargento Getúlio”). O filme, “Aos Ventos que Virão”, retoma a parceria de composição de José Luiz Penna e Tiago Araripe, que assinam as canções de vários trabalhos, como o próprio “Sargento Getúlio” e o documentário produzido para a Rede Globo, “Mulher no Cangaço”.

A história de “Aos Ventos que Virão” gira em torno do personagem José Olímpio, que vive dividido entre a política e o cangaço. “Fizemos uma trilha minimalista e fugimos do regional, mas eu digo que as músicas têm ‘sotaque’ nordestino”, afirma José Luiz.

A gravação conta com a participação dos músicos pernambucanos Jerimum de Olinda (percussão), Cláudio Rabeca (rabeca) e Pierre Leite (teclado). “A escolha de gravar no Recife é pelo histórico do manguebeat, que sabe usar a cultura de forma original”, completa o compositor.

As gravações seguem até sábado. O filme tem previsão de lançamento para 2012.

"Stand by"- Por Socorro Moreira




O telefone tocou e eu escutei de longe, sem forças, nem vontade pra atendê-lo.
Amanheceu de novo. Da janela do meu quarto sinto a claridade natural , o vento fresco das manhãs , que ainda não foram aquecidas pelas lareiras de Outubro.
A poeira das coisas estáveis animam a minha tosse.
Abro o guarda-roupa e sinto vontade de reformar todos os meus vestidos. Por que não aprendi a costurar no tempo certo? Por que não aprendi a fazer roupas de bonecas?
Meu pretenso amor folga em mim. Vejo-o de longe, numas conversas bonitas , e fico numa felicidade silenciosa, como ela deve ser, pra permanecer.
Vou começar o dia diferente. Ir em busca de um céu cheio de nuvens , onde a poesia esteja celebrando a vida.

Me dá teu sorriso? Quero mordê-lo !

Bolo de Chocolate de Liquidificador com Mousse de Maracujá



Ingredientes da massa
1 xícara (chá) de leite morno(a)
3 unidades de ovo
4 colheres (sopa) de margarina derretida
2 xícaras (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de chocolate em pó
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento químico em pó




Ingredientes do mousse

1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite
1 copo de suco de maracujá

Ingredientes da cobertura
1 lata de leite condensado
1 colher de margarina s/ sal
3 colheres de chocolate em pó
Chocolate granulado ou raspado

Modo de preparo da massa
Bata bem todos os ingredientes da massa no liqüidificador. Coloque em uma fôrma quadrada, untada com manteiga e polvilhada com farinha de trigo. Asse por cerca de 40 minutos em forno médio (180ºC), pré-aquecido.

Modo de preparo do mousse
Bata tudo no liquidificador e reserve na geladeira enquanto o bolo assa.
Montagem
Corte o bolo no meio e umedeça um pouco com leite. Coloque o mousse no meio, cubra com a outra metade do bolo e use o brigadeiro como cobertura. Use o granulado ou as raspas para enfeitar.

Cobertura
Aqueça todos os ingredientes no fogo, mas não deixe endurecer muito. Pode-se adicionar leite para deixar mais cremoso.

http://bl164w.blu164.mail.live.com

Mousse com calda de maracujá



Ingredientes

Mousse
2 claras
4 colheres (sopa) de açúcar
1 envelope de gelatina em pó sem sabor incolor (12 g)
2 xícaras (chá) de suco sabor laranja com manga

Calda de maracujá
1 colher (sopa) de amido de milho meia xícara (chá) de água
Meia xícara (chá) de polpa de maracujá fresca
3 colheres (sopa) de açúcar

Modo de preparo

Mousse
1 - Em uma panela pequena, coloque as claras, o açúcar e misture. Leve ao fogo baixo, mexendo sempre, por 1 minuto ou até amornar.

2 - Coloque na batedeira e bata por 5 minutos ou até ficar firme, em ponto de suspiro. Reserve.

3 - Hidrate e dissolva a gelatina conforme as instruções da embalagem.

4 - Bata no liquidificador a gelatina e o suco sabor laranja com manga por 1 minuto. Retire do liquidificador e misture delicadamente com as claras reservadas.

5 - Distribua entre 5 taças e leve a geladeira por 2 horas ou até ficar firme.

Calda de maracujá
6 - Em uma panela pequena, dissolva o amido de milho na água. Junte a polpa de maracujá, o açúcar e cozinhe em fogo médio, mexendo sempre, por 3 minutos ou até engrossar levemente. Reserve até esfriar.

7 - Distribua a calda nas taças e sirva a seguir.

 pela equipe Minha Vida

Convite!

O Presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores do Crato e o líder do PT Marcfos Cunha convidam V. Sa. e Digníssima família para participarem do "Encontro Municipal do PT: Pensando Crato 2012".
Presença de Lideranças Políticas do Partido.

José Raimundo Cordeiro                                        Marcos Cunha

Presidente do Diretório Municipal                     Líder do Partido     


Local: Associação Comercial (Palácio do Comércio)
Endereço:Rua Tristão Gonçalves, 547- Crato-Ce
Data: 15/10/2012
Horário: 17:00h              

SIr Edward Elgar: a pompa de um império cujo sol nunca se põe - José do Vale Pinheiro Feitosa

Toda música que exalte um povo tem quem a componha. A diferença, no entanto, não está na canção e no compositor em si. A diferença está em quando os corações de um povo se unem através da composição.

Feito esta que segue abaixo composta por Sir Edward Elgar e que é a primeira marcha das cinco Marchas de Pompa e Circunstância, Opus 39.


video

E como todo ousado vou adiante. Isso aconteceu por que o compositor veio do coração do povo, apesar de ter recebido o título de Sir em 1904 e depois de baronete, ele era filho de um afinador de pianos. Foi quase um autodidata. Viveu em dificuldades, compondo e ensinando música.

Casou-se com a poetisa e escritora Caroline Alice Robers e seu dote de casamento, contrariando o desejo da família que a filha casasse com alguém mais bem endinheirado, foi uma peça para violino e piano chamada Salut D´Amour. Convenhamos que ao ouvi-la temos a certeza que o nada é para sempre é apenas uma impressão passageira, pois se nada é para sempre, tudo o será uma vez que a frase desmentirá a si mesma dado que nada é para sempre.

video

Nascido em 1857 no interior da Inglaterra, Elgar conviveu com uma geração de grandes e fantásticos compositores que surgiram no apogeu na burguesia Européia, naquele ambiente das óperas e das grandes casas nos países ricos. Ponhamos nesta lista os grandes compositores da ópera e figuras impressionantes como Dvorak, Saens-Saint, Léo Delibes, Offenbach enfim a chamada música clássica teve enorme vigor até o fim da segunda grande guerra.

Que procurar no Youtube vai encontrar muitas coisas de Elgar que compôs entre outras peças históricas como: as variações sobre um tema original (enigma); a sinfonia número 1, o concerto para violoncelo, a sinfonia número 3 entre outras. Ele se destacou como compositor de obras para vozes como The Black Knight, King Olaf e The Light of Life e Caractacus.

Na coroação de Eduardo VII da Inglaterra foi pedido que ele fizesse uma adaptação da Marcha 1 de Pompas e Circunstâncias que já ouvimos anteriormente para um poema de A.C. Benson. Assim a Marchar 1 passou a ser intitulada Land of Hope and Glory. A letra em português: Terra de Esperança e Glória /Mãe da liberdade Como é que vamos te louvar / Quem é nascido de ti / Ainda mais vasto e mais amplo / Teus limites devem ser definidos / Deus que te fez poderosa,/ Faça-te mais poderosa ainda! / Deus que te fez poderosa,/ Faça-te mais poderosa ainda!

Como ouvirão abaixo aqui numa solenidade tipicamente inglesa a Land of Hope na Glory conforme a adaptação citada.

video