por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

It´s been a long, long time - José do Vale Pinheiro Feitosa

video


O mundo explodia em guerra, a política sofria terremotos, a economia afundava e os EUA eram a imagem escapista de Hollywood. A juventude americana vivia as benesses econômicas do keynesianismo de Roosevelt, com seu New Deal. Para quê lutar? E morrer se o mundo era tão doce e sonhador?

Mas não teve como aquele império emergente ficar fora. Onde a produção econômica era destruída pela guerra, havia necessidade de quem ousasse produzir em escala. E assim a juventude americana encantada e encantadora foi para as bases militares em outras terras. Levando seus ritmos e suas saudades.

As mulheres ficaram. Saíram do lar para as fábricas, dirigiam caminhões, manipulavam na esteira de produção. As mulheres que ficaram eram outras e os rapazes morriam e se mutilavam no corpo e na alma, numa saudade imensa daqueles ritmos, daquelas músicas, daquelas cenas de paraíso em vida diretamente das telas.

E aí a guerra acabou. Era dezembro de 1945 e os soldados tinham que abandonar os solos conquistados e retornarem para a América. As mulheres já não estavam mais nos lares e agora iriam sofrer a concorrência da mão de obra de retorno à esteira do machismo.

Afinal IT'S BEEN A LONG, LONG TIME, e alguém precisava erguer os espíritos femininos para receberem os rapazes de volta ao lar e este lar teria que ser refeito. Os laços se restabeleceriam e os abraços e “Kiss me once, then kiss me twice. Then kiss me once again. It's been a long, long time.”

Você nunca saberá quantos sonhos sonhei com você. Ou como simplesmente tudo era vazio sem você. Então me beije uma vez, então me beije duas vezes. Então me beije mais uma vez. Foi um longo, longo tempo. It´s been a longo, long time, foi a canção mais popular do fim da segunda guerra nos EUA.

Foi escrita na perspectiva de uma esposa ou amante acolhedora do seu homem de retorno da guerra. Composta por Jule Styne (compôs entre outras canções: It´s Magic, Just in Time, People, Saturday Nigth, Three coins in the fountain) e letra de Sammy Cahn a música alcançou a primeira posição nas paradas americanas com a orquestra de Harry James e vocal de Kitty Kallen já em 24 de novembro de 1945.

No mês seguinte surgiu uma nova e diferente versão com Bing Crosby acompanhado pelo trio Les Paul e logo atingiu o topo. Na segunda semana de dezembro outra canção assumiu o primeiro lugar, mas a segunda quinzena do último mês de 1945 foi de It´s been a long novamente com Harry James.

Dezenas de artísticas gravaram a canção, em vários continentes, mas a versão de Harry James acima, com a voz de Helen Forrest me parece a mais intensa e calorosa de todas as versões.

Uma vez que você nunca saberá quantos sonhos eu tive com você. Ou quantos pareciam vazios sem você. Então me beije uma vez, e me beije duas vezes e me beije mais uma vez. Foi um longo, um longo tempo. Foi um tempo extremamente longo.

Tomara...- socorro moreira



Abri meu baú de fotografias procurando fotos com Sérgio. Encontrei aquelas que registram nossa primeira despedida. Havia sido transferida para o Juazeiro do Norte e planejava encontros futuros. Havia tristeza no ar, mas era uma tristeza feliz. Tínhamos menos de 30 anos. A vida era feita de festa e apostas num futuro que se eternizaria.
O futuro chega todos os dias. A dica de Vinícius é mesmo um canto de sabedoria: ”... e a coisa mais divina que há no mundo é viver cada segundo como nunca mais.”
“Tomara” que a gente não esqueça o recado e apronte todos os encontros e reencontros possíveis.
A saudade preenche a solidão dos nossos dias, mas ela precisa dormir, ficar de bobeira por aí...


Hoje senti a importância da fotografia. Ela registra os rostos que deixarão de existir por morte ou por tempo de vida.
Viva o abraço, o olhar, o beijo, todas as falas verdadeiras dispersas no éter, festejando com a natureza sua infinitude.

Fotos de Maria de Jesus Andrade ( Há 31 anos atrás)

Diante da vida - Emerson Monteiro

Tamanho das dores varia ao sabor dos infinitos. No entanto há que se vencer indiscriminadamente o que vier e ganhar na alegria outras tantas vezes quantas despontamentos aflorarem e sumirem nos instantes da dor. Que fazer, contudo? As respostas, no seio do coração, existem intensas na profusão da fé ao sabor das maiores necessidades. Livres de perder a cor, tintar o horizonte das ações renovadoras das bênçãos.

À hora do desânimo perante o caldo grosso das adversidades revelaria o Amor em seu potencial imenso guardado a sete chaves durante os longos anos da religiosidade pura. Naquelas horas tortas dos tonéis da mágoa, despontaria o valor dos créditos adquiridos na potente oração cotidiana, e confiar acima de quaisquer obstáculos. O segredo de Deus assim transcrito no coração, que distingue sua cor poderosa das outras mais, rompe barreiras das tristezas no mapa da alegria. Portas e janelas abertas aos quatro ventos.

Quantas e tantas situações transpostas sumiram nas noites tempestuosas... Desistir nunca, jamais. Segurar com fervor os cimos da Glória inominável, o transporte do valor a trazer os dias das certezas da coragem por demais vitoriosa, sabor inesquecível das verdades eternas, o prazer da felicidade transposto dos trilhos nos caminhos e tocar em frente.

Força de convicção reclama, portanto, atitudes positivas, apego aos valores inabaláveis do sentimento verdadeiro desse gosto a Quem pode, no íntimo de milhões de expectativas, conceder propósitos definitivos de sonhos bons. A potencialidade, pois, do Deus herói supremo das aventuras inúmeras, o caudal da Paz nos lares harmoniosos da alma de coisas e seres, de nós seus filhos em crescimento.

Na sequência de acontecimentos do painel das gerações desfilamos nossa construção do território coletivo e palco dos dramas e sucessos. Receber os enigmas e revelá-los em nossas faces, demonstrar firmeza e trazer definições.

Quantas vidas, quantos desejos de acertar o passo no ritmo organizado das leis superiores, alento de animais e lugares. Andar ao som da tranquilidade, senhores de si e dos céus. Sustentar a luz dos amigos a oferecer lições inesperadas, aulas e palavras só nas mãos do Eterno Pai.



Peri Ribeiro !


Amigos Novos e Antigos

João Bosco e Aldir Blanc

As frases e as manhãs
são espontâneas
Levantam do escuro
e ninguém pode evitar
Eu tento apenas
mostrar cantando
O lado oculto do meu coração
Eu tenho às vezes
no olhar tardes de chuva
E sons percorrendo
alamedas na memória
Eu tento apenas
mostrar cantando
O que há nos lagos
do meu coração

"Quando para mucho
me amore de felice corazon
Mundo paparazzi me amore
chika ferdy para sol
Questo obrigado tanta mucho
que can eat it carrosel"

Alguém entrou no
meu peito agora
Mas só depois
vou saber quem é.

A primeira vez que escutei esta canção foi na voz de Peri Ribeiro. 
A frase que condensa este primor  da MPB permanece em mim!
Peri é inesquecível!

Outro torturador entrevistado - José do Vale Pinheiro Feitosa

Ainda sobre o tema do torturador entrevistado em revista brasileira: acabei de ler esta entrevista no site Outras Palavras: http://www.outraspalavras.net/2012/02/09/as-bombasticas-revelacoes-de-mister-dops/ Faço a referência apenas para quem interessar possa comparar com a entrevista da Veja. A entrevista tem o título de As bombásticas revelações de Míster DOPS.

O final da entrevista é bem uma representação da natureza do aparelho de repressão da ditadura militar brasileira. Vale salientar que a repórter desejava identificar os locais onde corpos de militantes de esquerda assassinados sob tortura foram enterrados clandestinamente. Olhem o primor de conclusão:

“Quando entrei no taxi para ir embora, refletindo sobre quem afinal estaria ameaçando quem, lembrei de uma ocasião em que nossas relações eram mais amistosas e pude lhe perguntar por que “eles” tinham enterrado os corpos, em vez de atirá-los ao mar ou incendiá-los para apagar definitivamente as provas.

De pé, na sala decorada com os estofados confortáveis, rodeados por mesinhas enfeitadas com fotos de família e bibelôs de inspiração religiosa, Bonchristiano reagiu: “Nós somos católicos, pô!”.”



"Herança indesejável" - José Nilton Mariano Saraiva

Se houvesse necessidade de abrigar em um mesmo espaço todas as pessoas que por ela são regularmente remuneradas mensalmente, a Prefeitura do Crato certamente enfrentaria oceânicas dificuldades, porquanto teria de dispor de uma generosa área para reuni-las, tal o número de habilitados (seriam milhares, conforme se comenta na cidade, dentre os quais uma legião de apadrinhados políticos, que só lá aparecem em final de mês pra receber a grana).
Tanto é que, cerca de dois anos atrás, na fase crepuscular do ano civil (aí pelas vésperas de Natal e Ano Novo), sem que se saibam quais os critérios utilizados, trezentos (300) “infelizes” foram escolhidos e “premiados” com o amargo e indefectível “bilhete azul”, sob a justificativa da necessidade de “enxugar a folha de pagamento”, amoldando-á à Lei de Responsabilidade Fiscal (e isso - realçou-se à época - sem que houvesse solução de continuidade no que concerne à execução dos serviços ofertados à população). Ou, didaticamente: estavam “sobrando”, não fariam falta nenhuma e que se virassem... petê saudações.
Mas, como estamos em 2012 (um ano eleitoral), e mesmo sem que novas demandas tenham surgido em termos de atividades essenciais ao bom funcionamento da máquina, repentinamente o poder municipal cratense se deu conta de que havia um “déficit” funcional de 360 postos, que precisariam ser preenchidos, daí a urgente necessidade de um concurso público a fim de ocupá-los (distribuídos por 46 cargos, que vão de “cuidador social”, “músico”, “auxiliar de cuidador social”, “turismólogo”, “topógrafo” e pro aí vai, as remunerações oscilam entre R$ 545,00 a R$ 1.445,77).
Para tanto, através da Licitação nº. 2308.01/2011-03, de 23.08.11, e ao exorbitante preço de R$ 560.000,00 (quinhentos e sessenta mil reais) divididos em 04 (quatro) parcelas de R$ 140.000,00 (cento e quarenta mil reais), quitadas a partir de 03/10/11, a desconhecida empresa Serctam-Serviços de Consultoria Técnica aos Municípios (CNPJ 73323008000162), estabelecida à Av. Rui Barbosa, 3389, Joaquim Távora, Fortaleza-CE, foi a escolhida para elaborar o tal concurso (desconhece-se quantas empresas participaram da atrativa licitação ou, até, se a referida se restringiria ao “bloco do eu sozinho”).
O certo é que, para concorrer, os 10.750 candidatos pagaram taxas de inscrição que variaram de R$ 40,00 a R$ 100,00, resultando numa arrecadação bruta de R$ 600.940,00 (se não houve nenhuma dispensa de taxa); de um nível baixíssimo (nota mínima 05 pra aprovação), as provas se realizaram nos dias 08.01.12 e 15.01.12 e já em 06.02.12, o resultado final foi divulgado; nada menos que 6.804 candidatos (63,30% dos inscritos) foram aprovados e a convocação dos “felizardos” já foi antecipadamente anunciada para o mês de março/12.
O “porquê” do vapt-vupt (ou extramada “agilidade”) por parte da Prefeitura do Crato ???
Presumivelmente, em razão do Artigo 73, inciso V, da Constituição Federal, rezar que nos três meses que antecedem o pleito eleitoral e até a posse dos eleitos, é “...proibido nomear, contratar, ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex-officio, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito” (além do que, em complementaridade, a Lei de Responsabilidade Fiscal, em seu art. 21, parágrafo único, determina que qualquer ato expedido por Poder ou Órgão da administração pública, que resulte em aumento da despesa com pessoal, nos últimos 180 dias anteriores ao final do mandato, é nulo).
Você, aí do outro lado da telinha, sacou ??? Não ??? Tá com bloqueio mental, ó cara ???
Conjeturemos, então (ou sejamos essencialmente pragmáticos): empregando 360 pessoas (evidentemente que maiores de idade e, portanto, potenciais eleitores) às vésperas de uma eleição onde um dos concorrentes naturalmente é indicado pelo atual “detentor do trono”, a audaciosa “presunção-objetivo” é que não só eles, mas também alguns dos familiares tendam a sufragar o próprio (sem levar em conta o caos em que se encontra a cidade). Assim, pressupondo-se que cada um deles (ou parte) consiga convencer pelo menos um ou dois parentes para o “voto de agradecimento”, teríamos aí algo em torno de 600/1.000 votos, que certamente influenciariam no resultado final. Clareou ???
Agora, se na prática tal teoria será recepcionada, não se sabe. O que se sabe, com base estritamente nos números divulgados, é que a admissão de 360 novos funcionários representará um acréscimo extra (mensal), de exatos R$ 321.421,72 na “Folha de Pagamento” da prefeitura do Crato (e aí, se computarmos os custos com previdência social e outras obrigações legais, certamente tal valor será alçado a pelo menos o dobro).
Como não se tem notícia de qualquer acréscimo nas dotações orçamentárias das combalidas Receitas das prefeituras por esse Brasil afora, não há como deixar de se inquirir: a) a austera Lei de Responsabilidade Fiscal será ignorada, dançará solenemente ???; b) a Prefeitura do Crato agüentará tal “tranco” por quanto tempo ???; c) ou, definitivamente, marchará para o colapsar ???; d) se tal acontecer, a responsabilidade deverá ser atribuída a quem “apagou a luz” (saiu por último), deixando pra trás um enorme abacaxi (rombo) pra ser resolvido ???; e) e se o vencedor do pleito for o candidato da situação (do prefeito), pressupondo-se que obrigatoriamente teria conhecimento da “armação”, também poderia ser responsabilizado ???; f) na hipótese de “vingar” o candidato da oposição (que irá pegar o barco singrando em águas turvas), recorrerá a quem, já que sem nenhuma culpa no cartório ???; e (alfim, principalmente); g) como e com quais recursos o novo gestor pagará a salgada fatura, oriunda de uma "herança indesejável"???
Alô, MPF, TCM, OAB, CGU... help !!!

.

Pablo Milanés


Pablo Milanés (Bayamo, 24 de fevereiro de 1943) é um cantor e guitarrista cubano.



Chuva
Luto musical
Arquivo morto
Muitos se foram
Vida é carnaval
Alegria, euforia
Cinzas
Ponto final.

(socorro moreira)