por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



domingo, 30 de setembro de 2012

Lili Marlene - José do Vale Pinheiro


video
Estão aí a versão da Marlene Dietrich e uma das versões brasileiras


Em julho 1914, durante a crise do liberalismo econômico e uma vez esgotada a fórmula da belle époque, a guerra abriu a fenda sobre o solo da Europa. Começava ali uma das maiores carnificinas já vistas entre seres humanos. A guerra das trincheiras em que generais e marechais filhos diletos da velha oligarquia e da nova burguesia europeia torravam a vida de jovens deixando um vazio demográfico jamais recuperado pela Europa.

Em 1915 Hans Leip, um professor de Hamburgo é convocado para o matadouro da juventude. O Exército Imperial Alemão indicava-lhe a lama, a pulga, a gangrena, a fome e o destroço das bombas nas trincheiras. Hans Leip preserva sua humanidade escrevendo um poemas para duas mulheres: sua namorada e sua amiga, configurando uma junção chamada Lili Marleen.

Em 1937 já nos espantos do Nazismo e de outra onda de carnificina o poema é publicado com o nome de “A Canção de Um Jovem Soldado em Watch” com a adição de dois novos versos aos três já existentes. Em 1938 Norbert Schultzer escreve uma canção perfeita para o tom lastimoso do poema.
A guerra espalhou-se sepultando jovens em valas comuns, arrasando os campos, consumindo os meios de subsistência das populações, destruindo as fábricas e estradas e deixando uma vasta fome entre todos. A guerra era ao mesmo tempo o mito imbecil da glória pela pátria e a insanidade destrutiva onde tudo deveria ser vida.

Em 1939 uma cantora alemã, de pouco sucesso, com a necessidade de sobreviver numa Alemanha irregular, grava a canção para o esquema de propaganda nazista. Era o improvável: uma canção doce para um momento marcial. Enquanto o panteão da simbologia nazista não admitia outra coisa que não o espírito guerreiro, retilíneo e duro, uma doçura tomou conta das fileiras.

A Rádio Belgrado das forças nazistas, que transmitia músicas, propaganda do regime e notícias para os soldados alemãs, na falta de coisa melhor tocou o obscuro disco com a canção Lili Marleen na voz de Lale Andersen. O Marechal Rommel com o pulso do sentimento dos seus soldados nas areias quentes da batalha dos desertos, gosta da música e pede para repeti-la com frequência. 

Os soldados queriam mais vida do que morte e a melancolia era um borralho em sua alma. E foi nesse clima que a canção se tornou o grande hits nas trincheiras. E por incrível que pudesse parecer naquele ambiente de confronto e ódios: foi o sucesso entre todos os soldados em guerra. Em todas as línguas, mesmo que não sabendo a tradução da letra em alemão, a canção era tão perfeita para a letra que todos entenderam.

Os americanos rapidamente fizeram uma versão para os seus soldados e gravaram com Marlene Dietrich, uma alemã que abdicara de seu país em favor dos EUA. O sucesso mundial da Dama Dietrich foi superior ao original de Lale Andersen. Mas história não ficou aí: existem versões em Francês, Russo, Italiano, Espanhol, Húngaro, Estoniano, Português entre tantos outros. Aqui na minha coleção tenho mais de 30 versões da canção.

Os brasileiros fizeram duas versões, ambas militarizadas e feitas para os soldados nos campos de guerra da Itália. Uma das versões segue abaixo.  O poema original em alemão é assim:  

Vor der Kaserne vor dem grossen Tor 

Stand eine Laterne, und steht sie noch davor, 
Wollen wir uns da wiedersehen 
Bei der Laterne wollen wir stehen, 
Wie einst Lili Marleen, wie einst Lili Marleen.

Unsre beide Schatten sahn wie einer aus 
Dass wir so lieb uns hatten, das sah man gleich daraus 
Und alle Leute solln es sehn, 
Wenn wir bei der Laterne stehn, 
Wie einst Lili Marleen, wie einst Lili Marleen.

Schon rief der Posten: Sie blasen Zapfenstreich 
Es kann drei Tage kosten! Kam'rad, ich komm ja gleich. 
Da sagten wir auf Wiedersehn. 
Wie gerne wöllt ich mit dir gehn, 
Mit dir Lili Marleen, mit dir Lili Marleen.

Deine Schritte kennt sie,deinen schönen Gang, 
Alle Abend brennt sie,doch mich vergaß sie lang. 
Und sollte mir ein Leid geschehn 
Wer wird bei der Laterne stehen? 
Mit dir, Lili Marleen.

Aus dem stillen Raume, aus der Erde Grund 
Hebt mich wie im Traume dein verliebter Mund. 
Wenn sich die spaeten Nebel drehn, 
Werd' ich bei der Laterne stehn 
Wie einst Lili Marleen, wie einst Lili Marleen



 (Português)
Em frente ao quartel, diante do portão 

Existe uma lanterna e ainda está em frente 
Queremos vê-la outra vez

Sob a lanterna nos reencontrar 

Como outrora, Lili Marlene!

Como outrora, Lili Marlene!


Nossas duas sombras, qual uma só 
Que o amor era, você veria é igual 
E tudo é o que povo pode ver 
Se ficarmos junto à lanterna 
Como outrora, Lili Marlene!

Como outrora, Lili Marlene!


Gritou o sentinela, para nos avisar 
Pode custar três dias!

Camarada eu ainda sou o mesmo 

Como dissemos adeus 

Como gostaria de estar contigo
Com você, Lili Marlene!
Com você Lili Marlene!



Ela sabe que o seus passos, seu agradável caminhar,
Durante toda a noite a espera, mas há muito me esqueceu,

E se me acontecer algum mal, 
Quem estará sob a lanterna? 
Com você Lili Marlene!

Com você Lili Marlene!


Da minha existência tranquila, a partir deste solo, 
Assim teu lábios levanta-me como num sonho. 
Quando se demore o redemoinho de névoa,

Devo ficar sob esta lanterna
Como outrora, Lili Marlene!
Como outrora, Lili Marlene!


video
Versão original da Lale Andersen

sábado, 29 de setembro de 2012

ELEGER SITUAÇÃO E OPOSIÇÃO NO MESMO E LEGÍTIMO ATO - José do Vale Pinheiro Feitosa


Na próxima semana, em todo o país, serão escolhidos os novos prefeitos, os vice-prefeitos e o plenário da Câmara de Vereadores. Com a votação eletrônica já na mesma noite do encerramento do pleito os vitoriosos abrirão suas vozes em comemoração. As festas continuarão por mais algumas horas e dias enquanto os equívocos que especulam aqueles que serão defenestrados da administração pública se tomam ares de verdade. Mas nada mais enganoso do que as comemorações como o pódio de uma medalha de ouro e as defenestrações para satisfação de futuro candidatos aos cargos defenestráveis.

Engano porque poucos entendem o verdadeiro sentido da democracia. Especialmente em ambientes com resquícios oligárquicos – se bem que de uma oligarquia menor assim como menores eram alguns membros da velha nobreza. Todos apenas enxergam os vitoriosos e aí é que reside o velho “coronelismo” a soprar enxofres demoníacos sobre os sertões. E, claro, sobre este “vale de lágrimas” e de tradicionais epidemias de dengue.

O que representam as eleições é a escolha da sociedade da situação e da oposição. Ambas com um projeto político a ser executado. Ambas, situação e oposição, contando com instituições para o exercício e desdobrar dos seus ofícios. Nenhuma é menor que outra no campo real do dia-a-dia dos municípios. E isso não é uma fantasia de palavras ao vento.

Em torno de 90% ou mais dos orçamentos municipais são repasses da União e dos Estados. São projetos, programas, verbas carimbadas para funções do Estado inscritas na Constituição Federal. Isso significa uma dependência institucional e integral dos governos municipais ao Estado Democrático de Direito. Portanto tanto quem pratica o exercício formal do poder quanto quem se organiza politicamente para exigir os direitos sociais se equivalem politicamente e na realidade da vida prática da sociedade.

Os fantasmas do interior e o arcaísmo do velho estilo de ameaçar e arrebentar criaram o mito do “manda quem pode, obedece quem tem juízo.” Uma das práticas desse coronelismo tardio é não fazer concurso público para não criar uma burocracia estável e independente. Este coronelismo tardio usurpa os recursos dos direitos sociais para criar uma rede de cargos comissionados, funcionários temporários, fornecedores com pedágios de caixa 2 entre outras práticas de superfaturamento e assim subjugar a oposição e a sociedade aos projetos pessoais de apropriação privada das riquezas coletivas.

Enfim são escolhas eleitorais de pequenos poderes absolutistas como existiram até a derrocada europeia destes regimes com as Revoluções Americana, Inglesa e Francesa. Por isso é preciso gritar que o rei está nu e eleger não só os representantes no governo como os representantes na oposição ao governo. É preciso a militância contínua, representação não é sinônimo de delegação das competências políticas da sociedade. É apenas a representação de escolhas de políticas públicas eleitas para tal, mas sempre sujeita a erros e acertos e aí cresce em igualdade o poder opositor.

Amanhã quando vencedores, quem sabe por baixo dos panos ou com o discurso fluído da energia limpa, conspurcarem a linda paisagem do cimo horizontal da milenar Chapada do Araripe, eu quero ser a oposição que exige a proteção das paisagens naturais.     
Miles Dewey Davis Jr (Alton, 26 de Maio de 1926 – Santa Monica, 28 de Setembro de 1991) foi um trompetista, compositor e bandleader de jazz norte-americano. Considerado um dos mais influentes músicos do século XX, Davis esteve na vanguarda de quase todos os desenvolvimentos do jazz desde a Segunda Guerra Mundial até a década de 1990. Ele participou de várias gravações do bebop e das primeiras gravações do cool jazz. Foi parte do desenvolvimento do jazz modal, e também do jazz fusion que originou-se do trabalho dele com outros músicos no final da década de 1960 e no começo da década de 1970. 

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Pontes



Parecia previsível : não seria nada fácil o dependurar das chuteiras para Sonevaldo Socó. Aposentadoria para homem é sempre uma espécie de fim: a morte produtiva : aquela que precede ao final golpe de misericórdia desferido pela  lâmina afiadíssima da Velha da Foiçona. De repente, após toda uma vida de batalhas cotidianas, vê-se o sujeito recluso numa cela totalmente desconhecida e inóspita: sua Casa. Como se um maratonista olímpico, de repente, se visse , na imobilidade de uma cadeira-de-rodas. No caso de Sonevaldo, a inadaptação  parecia, de longe, bem mais contundente. Era motorista de caminhão. Passara toda a vida na estrada, transportando carretos Brasil afora. Aquela vida de Indiana Jones, sem destino pré-determinado: as cargas é que o conduziam e não o inverso. Vivia no mundo, passeava em casa! Socó conhecia praticamente todas as vias deste quase continente brasileiro. A cada dia:  novos horizontes, novos conhecidos, novos amigos, novos amores.  De dois em dois meses, aparecia em casa, revia os filhos e a mulher, arrumava os teréns e caía na rodagem novamente. A aproximação da aposentadoria, no entanto, trouxe-lhe mais paz que fastio. Mais de quarenta anos de estrada , a juventude já embotada na poeira das rodovias, Socó imaginou que merecia o recolhimento. Estaria mais próximo dos filhos e da esposa, órfãos de sua presença por quase toda a  existência.
                                               Os primeiros dias com o pé longe do pedal do acelerador lhe trouxeram uma parente tranqüilidade . Aos poucos, no entanto, foi descobrindo que o mundo mudará totalmente enquanto vivia no meio do mundo. Os filhos haviam crescido e já cuidavam da vida e tinham casa própria. A esposa já não era aquela mocinha inocente e garbosa que ali deixara nas primeiras viagens, teimava em aparecer com cãs e rugas salientes .  Os amigos e conhecidos estavam espalhados pelo país, não moravam naquela cidade que, também, crescera e perdera o jeitão de Vila.  Aos poucos o pijama de bolinhas e a cadeira de balança começaram a pesar. Batia-lhe aquela sensação de gado, na fila, aguardando a hora do abate. Tentou ocupar-se em trabalhos domésticos, até descobrir que homem, em casa , não tem qualquer serventia. Imiscui-se em assuntos de que ,de todo, não tem qualquer know-how. Rapidamente se desentendeu com a empregada que há mais de trinta anos servia à família. Voltou-se, então, para a esposa que tomou as dores da funcionária de tantos anos. No fundo, D. Geni percebia que hoje era mais fácil conseguir outro marido que outra empregada como Ambrosina.
                                               Desencadeada a “Guerra dos Cem anos”, Socó resolveu ganhar a rua e procurou os escritórios mais apropriados à sua tribo : os botecos. Caiu na cachaça com uma voracidade impressionante e , cheio de meropéias e de razões,  começou a procurar emboança na rua e também em casa.
                                               O  tempo, que já andava turvo, sujeito a trovoadas e relâmpagos, tomou ares de tempestade. D. Geni  já tinha gasto o guarda-chuvas e o pára-raios com muitos vendavais e resolveu-se pela separação. Mais uma vez, antes da audiência de conciliação, aconteceu o previsto : Enfarte ! O coração de Sonevaldo não agüentou tanto repuxo. Interno, encaminhado à cirurgia ( três pontes de safena e uma mamária), por fim,  abrandou-se a raiva da esposa. Tocou-lhe a alma um sentimento de culpa, ao ver o companheiro de tantos e tantos anos mais chagado que São Francisco.
                                               --  A culpa é minha, devia ter tido mais paciência com ele !
                                               Ao despertar na UTI, Socó pôs-se a pensar com seus tubos,  sondas e cateteres. Depois de percorrer tantas e tantas vias, Brasil afora, chegara num ponto onde a estrada  empacara. Não havia saídas e nem possibilidade de se pegar um retorno. O tempo, então, lhe providenciará aquelas pontes, abertas ao peito,  por onde a vida  , agora poderia fluir mansamente. Até onde ? Até quando !

J. Flávio Vieira

quarta-feira, 26 de setembro de 2012


A Doçura no Piso da Existência - José do Vale Pinheiro Feiotsa

video

Socorro este texto deveria ter sido publicado há mais de mês. Mas a internet não deu. Agora vai. Desculpe pelas duas postagens uma atrás da outra.

José do Vale

Guarânia da Saudade - José do Vale Pinheiro Feitosa

video

Vanguarda: uma pressa de viver. Descobrir quão mortas estão as normas tradicionais. Levantar-se por sobre o plasma da tirania. Mover-se adiante quando a retaguarda teima em atrasar a fuga da miséria e da opressão. A vanguarda é um facho a expor o caminhante nas trevas às feras conservadas no mesmo pasto em que sempre pastaram. Vanguarda não traduz a louca volúpia da velocidade, a montanha russa em átimo de emoção. Vanguarda é encontrar-se à frente diante da pontaria do primeiro tiro. Das presas a estilar veneno e com ódio mastigar toda luz que do facho se espalha.

Dito esse passo de vida, eis que numa “siesta” das tardes de ventos os sentidos lentamente retornam ao mundo onde se respira. A luz de fundo azul e verde se acende, o sopro das águas marinhas diz mundo, o farfalhar de galhos e folhas orquestram os ouvidos. Mas o despertar em corpo entorpecido infiltra-se numa vaga de retaguarda. O vasto verde do canavial, a calçada alta com seus degraus oferecendo todo o brejo do Rio Batateira.  O passado por inteiro injetado por uma música com sentimento de entardecer.

Guarânia da Saudade de Luiz Vieira na voz de Carlos José. Viver tem destas coisas. Uma escrita que teima em ser lida cada vez em maior solidão. Apenas eu, somente eu a compreendo, pois Guarânia alguma jamais interessará aos tempos presentes. Não que a música ouvida agora seja mais avançada e mais original, ao contrário, com alguma frequência. Mas viver é guardar pulsando algo incapaz de ocupar o mundo, vive incrustado na solidão do tempo vivido. Compreendes-me?

“O violão é minha metade.”



Baden Powell é considerado um dos maiores violonistas de todos os tempos e um dos compositores mais expressivos da música brasileira. Criador de um estilo próprio, foi o violonista mais influente de sua geração, tornando-se uma referência entre os violões havidos e a haver. Sua música rompe as barreiras entre música erudita e popular, trazendo consigo as raízes afro-brasileiras e o regional brasileiro.

Nascido em 6/8/1937 em Varre-Sai distrito de Itaperuna, Rio de Janeiro, tem seu nome em homenagem ao fundador do escotismo do qual seu pai era aficcionado, pelo jeito gostava muito dele pois foi viveu 4 anos na cidade de Baden Baden na Alemanha. Morreu na manhã do dia 26 de setembro, do ano de 2000, na Clínica Sorocaba, no bairro de Botafogo(RJ).


http://www.badenpowell.com.br/

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Esperanto



Letra e música.
Proximidades afetivas que sobrevivem às distâncias geográficas.

"Eu em São Paulo
escutando o mar
no búzio que você me deu,
em tudo que você me dá".

(Trecho de Feito Beatles, canção do novo CD Baião de Nós que dá base ao clipe acima).

A tradução da música dos Beatles como esperanto, linguagem universal assimilada em todos os cantos do mundo.

Para saber mais desse trabalho, visite a página Baião de Nós no Facebook.

domingo, 23 de setembro de 2012

COM O NEGRO E AMARGO SUOR


 

Com o negro e amargo suor
Suor de negros escravos
Se fez
E se faz
O açúcar
Que o mundo consome.
Com o mesmo negro suor
Se elabora
E moldura
O doce fruto futuro.
 Ontem
Infames navios traziam
À América negros cativos.
Hoje
Outros navios os levam
Livres, mulatos, latinos
à África.
 
Do livro “PARA AMIGOS DIVERSOS”
Pedro Antonio Lima Santos

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Um brega das antigas...





 Pois hoje amanheci o dia cantando ou lembrando uma música das amplificadoras dos anos 60, que animavam praças e ruas. O brega existia, e a gente curtia! Não comprávamos os discos, mas decorávamos aquelas letras de canções, instantaneamente. Ainda hoje é assim... Por que elas me irritam mais? Ah, os tempos da impertinência. Como me tornar uma senhora tolerante? 
TOLERÂNCIA- um predicado necessário. Exigível com nós mesmos! Vou morrer sem concordar e concordando o tempo inteiro. 
Paradoxalmente, a vida se repete com novos olhares, novas vestes, mas com os mesmos sentimentos.

Matemática Moderna- Socorro Moreira




A gente dos anos 50 não estudara Matemática, baseada na teoria dos conjuntos. De repente ela foi introduzida, e os professores da cidade precisavam de reciclagem. Foi um processo sem mestre. “Os mestres” se viraram! Fui um deles. Entendi que era um exercício de lógica, de uma nova forma. De repente a Matemática valia-se da linguagem literária para ser traduzida para a linguagem numérica. Quando isso acontecia, o problema estava resolvido... O resto era apenas cálculo. Por isso aquela inovação me pareceu descomplicar uma aversão quase natural, que a classe estudantil sentia pela velha Matemática. Por alguns anos vivi este universo. Brinquei neste parque, e tentei  envolver a meninada da época, no lúdico estudo. Parecia dar certo, e muito!
Não deveria ter saído do Crato pra morar noutras terras. Não tinha que ser bancária; não precisava desaprender lógica para experimentar o ilógico. Caí numa disciplina rigorosa de vida. ”Sofri, mas mesmo assim eu fui feliz”.
Vez por outra, agora um tanto menos, esbarro com três ou quatro gerações que foram meus alunos. A maioria já de cabelos brancos... Incrível!
Fui professora  aos 16 anos, e sou aluna desaplicada aos 61 anos.
Queria da vida apenas aprender a ser menos resistente, menos desacelerada, mais suave... Mais doce e poética!
Foi por uma inversão de desejos que a poesia foi convidada a entrar na minha vida.
Hoje já não quero samba, violão vadio, argolas douradas... Já nem posso viver de guloseimas... Qualidade de vida implica na serenidade dos anseios.
Alguns rezam compulsivamente (alguns até ignorantemente). Outros brigam por poder associado ao dinheiro ( aquele bichinho que compra o exagero).Existem outros, que fazem arte.Admiro-os!  Arte engajada... Mais admirável ainda!
Meus respeitos a todos que sabem viver, e nos ensinam!
Aprendo com vocês, mesmo com repetências sucessivas dos velhos e recalcitrantes erros.
Enquanto existir vida, estamos aqui para crescer.