por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



terça-feira, 31 de dezembro de 2013


Hoje, 31 de dezembro de 2013. Estamos de saída para a Praia de Copacabana. Um amigo, que mora na Avenida Atlântica, com uma visão privilegiada para a Praia, a Multidão e a Queima de Fogos faz uma cota, contrata um DJ, arruma bebidas e comidas, dançamos, conversamos e assistimos. Claro provando a tradicional lentilha da meia noite quando já estamos em 2014. Vocês aí em Crato uma hora após.

À tarde assisti a um entrevista num canal de televisão com o Maestro Zubin Mehta quando a entrevistadora fez a analogia clássica que quase se tornou um chavão. Ela queria a transcendência da música, especificamente a elevação dos seres humanos a Deus. Ao que o Maestro respondeu: ela une as pessoas. Ela eleva as pessoas em razão uma das outras quis dizer o maestro. 

Isso que penso dessa procissão que acompanhei e filmei e fiz um filmete com todo o percurso, com texto e voz. Já publiquei um trecho quando falava na solidão da estrada carroçável que em seguida encheu-se de gente em caminhada. Isso é o que penso sobre a procissão: mais do que um elevação ao sublime da dádiva, é uma elevação dos seres humanos. Assim como todas as nossas mensagens de fim de ano. Com um reparo com a filmagem é em alta definição, tive que rebaixar para poder fazer o upload.


video