por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Procissão ao Siupé - José do Vale Pinheiro Feitosa

video


A segunda capela do Ceará foi construída na localidade do Siupé. Hoje Distrito de São Gonçalo do Amarante. Há mais de dez anos mais de mil pessoas se juntam em abandono da solidão da urbanidade individualista e rumam ao território de seus ancestrais. Vão como devotos de Nossa Senhora da Soledade e chegam como o manifesto de uma história. Retornam à sua verdadeira origem. Antes seu tipo não existia, eram apenas europeus ou ameríndios. E fazem isso no curso do mais intensa transformação globalizada o Complexo Portuário e Industrial do Pecém. 

Poleiro de Pato




J. Flávio Vieira

                                               Existe coisa , neste mundo, mais suja que folha corrida de político ? Só poleiro de pato ou cara de guri comendo chocolate. Imaginem, vocês, isso numa cidade como Matozinho , perdida no meio das brenhas, onde a única tênue ligação com o resto do planeta se fazia pelo fio telégrafo ? Ali político casava e batizava, totalmente imune ao Tribunal de Contas e à Responsabilidade Fiscal. Ajudava na blindagem uma razão óbvia: a Prefeitura era a grande empregadora da Vila : substituía o comércio pífio e as indústrias inexistentes. Matozinho , como na Divina Comédia, tinha seu céu( os correligionários do prefeito), seu purgatório ( os indecisos)   e  o inferno ( a oposição). Havia uma só arma de grosso calibre que furava a impenetrável blindagem política : a corrosiva língua do povaréu. Aquela sempre se consumara como a defesa única dos oprimidos e espoliados: a fofoca, a intriga, o disse-me-disse, o penicado eterno de oratórios. A maior parte das vezes, claro, as histórias eram verídicas , os escândalos reais, apenas acrescidos de um pouco de Fermento Royal nas praças e nas rodinhas de esquina. Em caso, no entanto, do jornalismo não ajudar, a ficção sacava-se  prontamente como recurso necessário e imprescindível e a cada conto se ia, claro, acrescentando um ponto, até que toda a trama estivesse urdida.  As fofocas eram sempre sussurradas  nos becos e bancos: Andaram me contando... Dizem as más línguas... Vendo o peixe pelo preço que comprei... Esta história tem que ficar aqui, é segredo , se disserem que eu disse eu nego mais que Pedro na Santa Ceia...Quem lá tinha coragem de enfrentar de peito a máquina forrageira da prefeitura ?
                                   As regras , no entanto, mudaram naquele dia em Matozinho, devido , se acha, a alguns fatores depois devidamente arrolados. Jojó Fubuia assistira no Rádio Cliper velho do Bar de Godô ao destempero  de um tal de Joaquim Barbosa que saíra , como um soldado de volante , na captura  dos cangaceiros do Mensalão. O homem cuspia fogo pelas narinas como dragão e aquilo impressionou Jojó que sempre teve nariz meio virado para direiteza demais, honestidade excessiva. O certo é que,  depois de umas meropéias, saiu ataiando frango do bar e investiu-se, imediatamente, de virulência judicial , de  super-poderes barbosianos. Na calçada,  já debulhou, com alarido,  todo o feijão com casca do prefeito Sinderval Bandeira:
                                   --- Sinderval, ladrão de galinha ! Devolve o dinheiro do povo que tu anda tomando emprestado, seu miserável ! Pensa que o cofre da prefeitura é teu bolso, é ? Vai pastorar tua mulher , pra ver se diminui teus chifres, seu infeliz ! Tu é como galo, desgraçado, tem chifre até nos pés !
                                   Enquanto, perigosamente, sem nenhum cuidado,  atirava no ventilador o que o povo de Matozinho comentava por debaixo dos panos, Jojó foi cambaleando em procura da Praça da Matriz. Sinderval, àquelas horas, já estava usufruindo aquele sono mais profundo do que o dos justos: o sono dos impunes. Num dos bancos da praça, no entanto, estava esparramado , com alguns amigos, o velho Pedro Cangati, um dos mais antigos chefes políticos da vila, agora na oposição, após a ascensão de Sinderval. O passado de Cangati não tinha sido menos devassado pelo povo que o do atual prefeito. Diziam-no larápio convicto, respondera processo por estupro de uma adolescente que emprenhara dele e, comentava-se , com cuidados mais que redobrados :  depois de velho começara a vazar corrente e deu para andar com rapazinhos  a quem presenteava  com tênis e bicicletas.
                                   O certo é que Jojó, no meio da sua imprecação contra Sinderval, topou num indigesto vis-à-vis com o ex-prefeito Cangati, aboletado no seu banco. Pedro preparou-se para a reação pronta e imediata, caqueando o vazio, em busca da jardineira de doze polegadas. Fubuia fitou-o com aqueles olhos de bêbado --melosos a meio pau-- ,  e, não perdeu a pose. Arrancou, embasado nos argumentos do Domínio do Fato e da Presunção de Inocência, os únicos elogiosos possíveis de se fazer a um político no Brasil:
                                   --- Sinderval, seu safado ! Você devia era se espelhar no exemplo do grande  Pedro Cangati ! Ele pelo menos é um ladrão honesto, um baiotola macho, um estuprador donzelo !

Crato, 13/12/13

"Gratificação" - José Nilton Mariano Saraiva

Todo mundo sabe que o atual prefeito de Fortaleza não passa de um fantoche da família Ferreira Gomes. Que ganhou a eleição em razão do jogo bruto e pesado do atual Governador do Estado, Cid Gomes, que gastou uma fortuna para viabilizá-lo no cargo. Então, agora tá tudo dominado, capital e interior.

Claro que isso teria que ter um preço mais à frente. E está sendo pago desde o dia em que o “afilhado” assumiu o trono da capital cearense. Agora mesmo, por exemplo, tomamos conhecimento que nesses onze meses de gestão os cargos comissionados da prefeitura de Fortaleza saltaram de 3.618 para 4.600; e que nesse mesmo período houve um aumento de 49 para 669 (ou 1.365%) do quantitativo daqueles que recebem da prefeitura gratificação extra mensal de até R$ 5.000,00 (atentem bem para o detalhe: R$ 5.000,00 é só a “GRATIFICAÇÃO” de cada um dos servidores municipais).


Enquanto isso, nesse mesmo período a taxa de homicídios em Fortaleza experimentou um avassalador crescimento geométrico, o povo pobre pena nas portas dos hospitais sem ter quem lhe dê guarida, enquanto os professores da rede municipal vivem em permanente estado de penúria e sofreguidão. 

A pergunta é: em termos de "custo-benefício", esses R$ 5.000,00 de gratificação pagos a um exército de servidores que nada fazem, não seriam melhor empregados se direcionados a uma das carentes áreas acima citadas.  

Tudo foi ilusão


Composição: Laert Santos/Arcilino Tavares


O sol que outrora brilhou em minha vida
Apagou-se, perdeu a luz, não brilha mais
Minha vida é uma noite sem lua e sem estrelas
Os meus sonhos foram somente sonhos e nada mais
E hoje cansado de tudo sigo os meus passos
Na esperança de um dia mais tarde te encontrar
E apertar-te amor em meus braços num abraço
E ver contigo o novo sol brilhar
Como as nuvens que passam vagando perdidas no espaço
Como a gota de orvalho caída perdida no chão
Eu também me perdi vou vagando passo a passo
Na esperança de um dia encontrar uma nova ilusão
E hoje cansado de tudo sigo os meus passos
Na esperança de um dia mais tarde te encontrar
E apertar-te amor em meus braços num abraço
E ver contigo o novo sol brilhar