por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



terça-feira, 2 de setembro de 2014

SUPERAR AS CLASSES SOCIAIS - José do Vale Pinheiro Feitosa

Eleições concentram ideias. Aquilo que individualmente se pensa, de repente se junta e se organiza em grandes ilhas que tendem a se aglutinar de modo continental. É preciso imaginar que forças de atração e repulsão agem nesse processo de fusões e organização.

A principal força é a que sustenta a vida do ser humano e seus modus operandi político, cultural e econômico no mundo. Sustentação da vida traduz-se como sabedoria e a causa maior de toda inteligência humana.

Mesmo quando a destruição e a violência se alastram como guerras ou conflitos civis, há por trás uma busca extrema pela sustentação da vida. Assemelha-se a uma contradição ontológica, mas na verdade a contradição é externa ao ser da sustentação vital.

São as classes sociais com seus modelos específicos e hegemônicos de definir a sua sustentação como a prioridade sobre a sustentação das outras classes sociais. Até por uma resposta imediata, que se imagine até primária, a superação das classes sociais é uma questão central e histórica. E pode ocorrer justamente porque externa à sustentação de se estar no mundo.

Eliminar as contradições sobre a essência do ser no mundo é livre arbítrio humano. É libertar-se das regras de pensamento totalitárias que cristalizam dominâncias e sufocam o exercício do ser no mundo. É ir além de toda as dependências escravas de uma visão que naturaliza as regras das classes dominantes como a explicação mais ampla para justificar o quão são irremovíveis as contradições.

Não é incomum nos espaços de debate, como estes privilegiados em blogs e nas redes sociais, uma argumentação caleidoscópica de clichês das sucessivas e apressadas leituras monolíticas e pouco afeta à pluralidade. Por isso se provoca tanto. Às ideias as substituem por chavões, à leitura do divergente vem xingamentos, fora isso, fora aquilo. E assim se naturaliza o linguajar psicopático quando alguma racionalidade se encontra sempre ao lado e ao alcance.

Agora estamos em mais um processo eleitoral. Mesmo as ideias que nos aborrecem precisam ser consideradas. Mesmo que alguém imagine que sua agressividade vai ajudar seu candidato é sempre possível que este compreenda que agressividade é uma energia que pode ser usada ontologicamente no sentido de estar no mundo.

Logo em seguida tenha por regra que a agressividade que apenas se põe como correia de transmissão para sustentar posições de classes sociais é motor real da luta histórica. Não se pode esquecer que os senhores de escravos sabiam do ódio eterno que a escravidão despertava mesmo gerações após as outras.

Continuavam porque possuíam os meios econômicos para afrontar o estar no mundo do outro. Até que as fontes destes meios se tornavam insuficientes para conter os efeitos da afronta. E assim vai continuar até que se encontrem sistemas que superem as classes sociais e suas contradições.


Isso é socialismo como se pensou nos últimos trezentos anos. Não é religião. Não é um catecismo e nem um mero código de comportamento. É uma consciência de como se estar no mundo e que este estar é um processo histórico decorrente das relações humanas no contexto do planeta. É um mero arranjo externo ao ser.  

Um comentário:

Batateira Original disse...

Eis aí o mensalão 2 e a ignomia do PT querer incluir Eduardo quando todo Brasil sabe que os responsáveis são LULU e DILMA, como apontou Jarbas Vasconcelos em defesa de Eduardo. Esse é socialista ético...