por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Lettres D´Amour - José do Vale Pinheiro Feitosa


Quando ao cego se deu a luz, bilhões de coisas visíveis se apresentaram aos outros sentidos que já as sentiam, de outro modo e nem sempre das longas distâncias em que a vista alcança e outros sentidos não. Mas é desta liberdade de ir cada vez mais longe que a luz se perde, sai do foco, se torna uma mancha sem significado.

E o fabuloso reino de Portugal, das epopeias dos Lusíadas, tão de vanguarda e livre para ir cada vez mais longe e tantas terras conquistar que terminou sendo conquistado. A aventura de Dom Sebastião e seu tropeço de Alcácer-Quibir encantou os sonhos de liberdade dos portugueses e a coroa espanhola fez de Portugal quase uma província.

Mais de quarenta anos após, em 1640, houve a restauração do reino com a dinastia bragantina. As guerras da restauração duraram mais de vinte anos e esta história acontece no clima. Neste mesmo período Richelieu controlava o reino francês, os reinos europeus viviam a guerra dos trinta anos e a Inglaterra passou pela revolução puritana que foi a primeira grande revolução da burguesia no mundo.
No tal ano de 1640 nasceu na cidade de Beja em Portugal uma jovem de família abastada, sujeita a lei dos vínculos em que os filhos mais velhos recebiam a integridade do patrimônio familiar para que esse não se dividisse, restando aos irmãos mais jovens a dependência, a aventura, o serviço militar ou os conventos. Aos onze anos a menina é entregue num convento na cidade de Beja onde nascera e aí se torna madre. Com o tempo se torna escrivã do convento.

A restauração portuguesa, como dito, foi no clima geral das guerras europeias de modo que até oficiais holandeses e franceses foram parte dela em pleno território lusitano. Entre os comandantes de guerra esteve o Conde Noel de Chamilly. A freira tinha vinte e poucos anos e ambos se encontram através dos membros da família dela.

Três anos após ter estado em Portugal, Chamilly retorna à França e dois anos passados sai publicado em Paris as “Lettres Portugaises traduite em François” por Claude Barbin. Eram cinco cartas sobre um grande amor envolvendo Chamilly e uma freira portuguesa. As cartas foram escritas por ela.

E aí se montou uma narrativa semelhante à veracidade sobre a existência ou não de Shakespeare. Estamos falando de Mariana Alcoforado. A freira suposta autora das cartas traduzidas para o francês se tornou um grande e contraditório diálogo literário e biográfico.

Adotando os dois temas falaram dela Camilo Castelo Branco, Rousseau, Saint Simon, Stendhal, Rilke entre muitos. Mas o que se tem é uma grande escrita literária em cinco cartas apenas. Reflexo de uma época de grandes paixões, de profunda lealdade ao ser em si, mas também da ambiguidade entre duas profundidades de se perder: a dubiedade do amor de um ser humano por outro e ao mesmo tempo do amor universal representado pela divindade.

Ambas as profundidades apontam o indestrutível, o eterno e contraditório ao desgaste, a metafísica do amor, o amor como a extração da essência e a semente permanente da lealdade a um só.

E nisso as cartas da Madre Mariana Alcoforado são uma grande luta de contrários já com as sínteses extraídas: entre o amor por Chamilly e o seu dever a Deus como freira. Como se trata do dramático advindo do confronto do particular do amor entre os humanos e o geral do amor a Deus, ambos com o mesmo sentido das características da profundidade como dito no parágrafo anterior, o drama serve para expressar de forma inigualável a natureza desta dita profundidade.   

Eis que passados mais de trezentos anos as Cartas de Mariana Alcoforado continuam sendo o que são: a paciente capacidade de entendermos a nós mesmos através das palavras. E das palavras escritas em textos com estilo que aos pouco afeitos à leitura incomoda ou que acham tudo que não mensagem no twitter algo chato. Vindo daí o raso em que viver se tornou um mero reduzir-se a drops de muitos sabores. Fugazes e propícios a cáries mentais.

Acho que se você leu até aqui, já estamos no excesso que não se espera dos leitores inabituais. Mas se chegou me anima a trazer alguns trechos da primeira carta:

“E contudo – parece-me que até aos infortúnios de que és o causador, eu tenho apego! Ofertei-te a minha vida desse a primeira hora em que te vi e é ainda um prazer para mim fazer-te o sacrifício dela.”
“Só me queixo do rigor do meu destino. Apartando-nos, fez-nos ele o maior mal que poderíamos recear. Não conseguirá, porém, apartar os nossos corações. O amor, que é mais poderoso do que ele, reuniu-os para toda a vida”

“Adeus, não me atrevo a deixar este papel que vai estar nas tuas mãos e quereria ter a mesma dita. Ai, que desvairada ando! Como se não soubesse que tal não me é dado. Adeus, falta-me o ânimo. Adeus, ama-me sempre e faz-me padecer ainda mais.”

Ficamos por aqui com a canção portuguesa a seguir. O livrinho com as cartas é da coleção Nossos Clássicos da editora AGIR e tem o título Mariana Alcoforado.

video
Não venhas tarde - Carlos Ramos - por excesso coloquei esta música para que estranhes mas ao final atenta-te aos versos finais:  "sem alegria eu confesso tenho medo, que tu me digas um dia, meu amor não  venha cedo. Por ironia pois nunca sei onde vais que eu chegue cedo algum dia e seja tarde demais."
  
  

Um comentário:

socorro moreira disse...

Ainda invejo quem sabe amar assim tanto...
è assim meu ideal de amar...Pode ser patético, mas acuso-me!

Lindíssima postagem!