por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



domingo, 6 de maio de 2012

Maria Bonita - José do Vale Pinheiro Feitosa

video
Por incrível coincidência de datas em 8 de abril de 2002 morria, aos 88 anos de idade, uma das maiores artista da cultura mexicana: Maria Félix que nascera em 8 de abril de 1914. Neste filmete Plácido Domingo canta Maria Bonita, música composta por Agustin Lara em homenagem a Maria Félix, com ela estando presente na platéia. Naquela altura já com mais de 75 anos de idade e ainda uma belíssima "doña".  


Maria Bonita


Ambos, o mar e minha alma, vagueiam sentidos,
Teu corpo molhado,
Cabelos assentados,
Partes pelo todo,
Bonita e exuberante, coroada de lua cheia.

Acapulco é nada desse tudo sem noves fora,
Maria Bonita,
Substantiva inflexionada,
Indivisível noite,
Deste pacífico revolto em ondas de calor.

O núcleo momentoso desta eternidade enluarada,
Maria Félix,
Agustin Lara,
Reverberação do instante,
Nestas águas platinas do azul cobalto nas manhãs prometidas

Deixe-me tudo dizer, as sílabas soletrar,
Teus olhos debulhar,
Beber os lábios,
Inebriar-me de odores.
Respirar fundo até a ponta no fim do novelo.

Não diga nada, nem ao menos balbucie sobre a lua cheia,
Teu corpo ora,
Teu sopro faz-me vida,
Eis o universo,
Aquele pelo qual, de braços levantados, canto em ser parte.






Um comentário:

socorro moreira disse...

Meu Deus, que poema lindo!