por José do Vale Pinheiro Feitosa




Viva junto à alma mais próxima e compreenda que a proximidade é a medida da distância. Que a distância que os separa é este movimento maravilhoso da matéria e da energia. A maravilha é apenas esta surpresa porque esta proximidade é tão diminuta entre os dois e é a inesperada distância.

José do Vale P Feitosa



segunda-feira, 14 de maio de 2012

Já é hora de adeus - José do Vale Pinheiro Feitosa

video

Raimundo Capirote, recebeu este apelido, como todos o conhecemos em Paracuru, de um amigo da família que via ali um diabinho a fazer malinação. Um herói do século XX: saiu lá da pobreza da roça e se fez na cidade onde se aposentou na Universidade Federal do Ceará como Diretor. Trabalhou na rádio Universitária e atualmente faz um programa popular na Rádio Mar Azul aos domingos. Aqui estivemos numa roda de música. As fotos são apenas ilustrativas mas as últimas retiradas no lugar onde se deu o encontro.



Socorro e Aloísio,

Foi mesmo assim. Uma noite, destes luares de praia nordestina, quase como num sítio remoto, uma roda gravitada por uma viola e duas vozes de inundar o presente. Ele Capirote e ela Gil. Ele marido boêmio das noitadas de Fortaleza. Ela decidida a se aliar à voz das madrugadas, com seu canto de mulher entre mesas, garrafas e a canção para dilatar a vida.

Sabem daquelas noites que não acontecem por acaso mesmo quando os arranjos para que aconteçam sejam imprecisos. Sei, não foi por acaso, foi programada, quando falo do acaso é o resultado. Um eco que não se apaga da memória. Mas não apenas o som de um eco, mas um eco de todo o momento com a brisa da noite e as canções. Muitas canções a varar uma fileira de horas.

Como foi começada chegou a hora da despedida. Um pouco longa, como devem ser as despedidas dos tempos bons. Enquanto a noite se adiantava em madrugada o Capirote tocou a viola para a saudade e com canções simples, daquelas que achamos melosas, mas naquele ambiente se tornaram diamantes resistentes e brilhantes.

Diamantes resistentes e brilhantes. 

4 comentários:

Aloísio disse...

José do Vale,

Grande narrativa!
Um bom lugar, grandes lembranças e boas companhias, são estes os prazeres que levamos da vida.

Grande abraço

Aloísio

socorro moreira disse...

Sou amante destas noitadas.
Provoco-as, vez em quando, aqui em casa.
Aí lembro de tudo que já disse adeus, e ainda me visita.Lembro de Kaçu pra trás, e daí pra frente.
Adorei o texto!

Abraços

socorro moreira disse...

Não consegui achar o vídeo. Gostei da interpretação de Raimundo Capirote.

José do Vale Pinheiro Feitosa disse...

O vídeo é só um artifício para fazer audível o mp3 da gravação. Usei um programa que edita vídeo, só está publicado aqui mesmo.